O consumo de substâncias psicoativas é uma característica comum a populações da maioria dos países, inclusive a do Brasil, sendo o tabaco e o álcool as mais utilizadas, e socialmente aceitas diante de um consumo equilibrado, mas não são todas as pessoas que conseguem permanecer nesta condição, e acabam buscando então drogas mais pesadas ou o uso desenfreado a ponto de serem quimicamente dependentes.
Mas o que gera isso? E é possível se libertar dessa condição?


A dependência química é nomeada pela Classificação Internacional de Doenças (CID-10) como síndrome de dependência e é caracterizada como um conjunto de fenômenos fisiológicos, comportamentais e cognitivos, no qual o uso de uma substância ou classe de substâncias alcança uma prioridade muito maior para um determinado indivíduo que outros comportamentos que antes tinham maior valor. Uma característica descritiva central é o desejo de consumir drogas psicoativas, álcool ou tabaco. Pode haver evidência que o retorno ao uso da substância após um período de abstinência leva a um reaparecimento mais rápido de outros aspectos da síndrome do que ocorre com indivíduos não dependentes. (1993, p. 74)

Ao analisar diversos casos de pacientes, um padrão foi identificado, todos possuam gatilhos que desenfreavam um descontrole a ponto de os levarem à sua compensação. Sentimentos como: Raiva, frustração, ansiedade, solidão, depressão, tristeza, alegria, tédio, empolgação, desesperança, desamparo, incerteza e exaustão são alguns dos gatilhos emocionais que por serem mal administrados, levam o indivíduo à uma busca por algo além de suas experiências naturais. Outras características também observadas são os traumas vividos na infância ou um histórico marcado negativamente pela presença de substâncias psicoativas.

Diante deste cenário é que a psicanalise pode atuar com grande sucesso, tratando as reais causas que levam o indivíduo às suas áreas de compensação, ajudando-o a administrar bem as emoções e ser emocionalmente bem resolvido com o seu passado. Um quadro clínico como a dependência química pode muitas vezes ser assustador, tanto para o paciente quanto ao psicanalista mas o cenário é positivo, são inúmeras pessoas que conseguiram recuperar sua saúde emocional, estabelecer um novo estilo de vida equilibrado e repleto de esperança.

É de extrema importância que qualquer emoção mal administrada seja acompanhada por um profissional, para que assim todo e qualquer indivíduo possa desenvolver uma inteligência emocional e proteger o seu futuro de danos permanentes.